Estou ciente de que os dados fornecidos são exclusivamente para cadastro mencionado no formulário. Após finalização, os dados serão armazenados pela Progus Contabilidade de forma segura, apenas com a finalidade de manter histórico de atividades realizadas e sem hipótese de transmissão a terceiros, conforme Lei Nº 13.709 - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)
Área do Cliente:

5 ações que pagam bons dividendos para investir em julho; Vale (VALE3) no topo, seguida de BB (BBAS3) e Engie (EGIE3)

As ações da Vale (VALE3) são as mais recomendadas pelas corretoras nas carteiras de dividendos de julho monitoradas pelo InfoMoney.
A mineradora, que já liderou o ranking no mês passado, registrou sete recomendações – uma a menos.

Todo início de mês, o InfoMoney realiza um levantamento das carteiras de ações recomendadas para quem tem foco em dividendos, apontando os cinco papéis preferidos dos analistas. O número pode ser maior, se houver empate. Desta vez, com apenas cinco trocas nos portfólios sugeridos, o balanço não teve alterações em relação ao de junho.

Seguindo a Vale, o segundo lugar entre os papéis mais citados é do Banco do Brasil (BBAS3), que se manteve em seis carteiras, seguido pela Engie (EGIE3), com cinco apontamentos. Esta última também foi substituída por uma das casas de análise consultadas, mas permanece entre os destaques.

O bloco dos papéis mais citados tem ainda TIM e Petrobras, empatados com quatro escolhas por parte dos especialistas.

A análise engloba os portfólios de dividendos divulgados por dez corretoras. Confira a seguir as companhias selecionadas para julho:

Vale (VALE3)

Mesmo com sua substituição na carteira de uma corretora, a mineradora permanece na dianteira entre as indicações de dividendos, com sete escolhas em julho.

Em relatório, a Santander Corretora observa que, após recente solavanco do minério de ferro no mercado internacional, a commodity negociada na China voltou a subir nos últimos dias de junho. Segundo a instituição, o movimento ocorreu depois que o presidente chinês reiterou a estratégia de uma política econômica que permita um crescimento alinhado à meta de 5,5% para o PIB neste ano.

Fonte: infoMoney | 06/07/2022