Estou ciente de que os dados fornecidos são exclusivamente para cadastro mencionado no formulário. Após finalização, os dados serão armazenados pela Progus Contabilidade de forma segura, apenas com a finalidade de manter histórico de atividades realizadas e sem hipótese de transmissão a terceiros, conforme Lei Nº 13.709 - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)
Área do Cliente:

Vacina contra o câncer é testada em primeiro paciente humano

Pesquisadores do centro de pesquisa e tratamento do câncer City of Hope, nos Estados Unidos, e da empresa de biotecnologia Imugene, na Austrália, anunciaram o primeiro teste em um paciente humano da vacina contra o câncer.  

O medicamento é denominado CF33-hNIS, mas também é conhecido como Vaxinia. A substância se trata de um vírus geneticamente modificado e projetado para infectar e matar seletivamente as células cancerígenas.  

Após aplicada no organismo, a substância funciona entrando nas células e se duplicando. As células infectadas explodem e liberam novas partículas virais que funcionam como antígenos, estimulando o sistema imunológico a atacar as células do câncer.  

Vacina contra câncer

“Nossa pesquisa anterior demonstrou que os vírus oncolíticos podem estimular o sistema imunológico a responder e matar o câncer, bem como estimular o sistema imunológico a ser mais responsivo a outras imunoterapias”, afirmou o oncologista do City of Hope, Daneng Li.  

O foco do estudo neste momento é demonstrar a segurança da vacina contra o câncer e tolerabilidade do medicamento. Futuramente, espera-se que a pesquisa envolva 100 voluntários com tumores sólidos metastáticos ou avançados que já tenham passado por, pelo menos, duas linhas de tratamento anteriores.  

“Nosso vírus oncolítico treina o sistema imunológico para atingir uma célula cancerosa específica. O que significa que, se uma célula cancerosa semelhante tentar crescer novamente, o sistema imunológico estará pronto e esperando para desligá-lo”, aponta a oncologista cirúrgica Susanne Warner, que estudou os impactos do CF33 em camundongos. 

Fonte: OlharDigital | 24/05/2022